A triste história da primeira “Poliana” da TV brasileira

Com As Aventuras de Poliana, o SBT está alcançando recordes de audiência e coleciona críticas positivas, tanto do público quanto da mídia especializada. A trama, que estreou em 16 de maio de 2018, é considerada um dos maiores fenômenos recentes da dramaturgia da emissora paulista.

A novela é inspirada em “Pollyanna”, centenário clássico da literatura assinado por Eleanor H. Porter, e cujo primeiro volume foi publicado em 1913. No total, foram lançados 11 livros com a protagonista.

Várias versões da história de Pollyanna foram produzidas: peças de teatro, anime japonês, filmes para a TV e também novelas.

A primeira vez que Pollyanna desembarcou nas telinhas brasileiras foi na TV Tupi, que em 1956 estreou o folhetim “Pollyana” (escrita com um “n” só mesmo), considerada a primeira novela infanto-juvenil da TV brasileira.

A novela fez um grande sucesso na época. Foi adaptada por Tatiana Belinky, autora russa que já assinava o Sítio do Pica-Pau Amarelo, e foi ela que conseguiu convencer a emissora a investir na produção uma novelinha feita para o mesmo público-alvo. Foi uma aposta certeira.

Para protagonista, foi escalada a jovem Verinha Darcy, filha da locutora, atriz e apresentadora Elizabeth Darcy (1912-2010), e irmã do locutor esportivo Silvio Luiz. É definida como uma das maiores atrizes mirins do Brasil.

Embora “Pollyana” não tenha sido o primeiro trabalho de Verinha na TV, foi o papel que a consagrou.

Nascida em 1945, ela tinha apenas 11 anos quando a novela foi ao ar. Eram transmitidos apenas dois capítulos por semana, ao vivo, pois ainda não tínhamos uma tecnologia que permitisse exibi-los gravados. No total, foram ao ar 30 episódios.

Em alta, ela protagonizou outras produções, como “Clarissa” e “Heidi”. Foi convidada para reprisar o papel da menina otimista na sequência “Pollyana Moça” (1958), primeira novela “spin-off” da nossa dramaturgia, que contava as aventuras da carismática personagem na adolescência.

No Brasil, como “As Aventuras de Poliana” está prevista para ficar no ar por pelo menos dois anos, por isso, quando seu último capítulo for exibido, é capaz de a atriz mirim Sophia Valverde já ser uma Poliana moça.

Voltando à Verinha Darcy, ela ainda teve outros trabalhos na TV, sendo a Isabel de “A Última Testemunha”, novela da Record de 1968, o último deles. Foi também dubladora de séries como “Star Trek – Jornada nas Estrelas”, emprestando a voz a atrizes mais velhas que ela, e sendo bastante elogiada pela sua desenvoltura.

A atriz abandonou a carreira em 1968, aos 23 anos, para se dedicar à vida pessoal.

Pouco tempo depois, em 1979, Verinha faleceu. Tinha apenas 34 anos de idade, e as causas de sua morte são desconhecidas até hoje. Tentamos entrar em contato com Silvio Luiz para saber mais a respeito, mas não obtivemos resposta até a conclusão deste texto.

Comentários no Facebook